top of page

Torne sua vida mais PRODUTIVA, CRIATIVA E INTENCIONAL

  • Foto do escritorgelsontk

Como a ciência pode ajudar a educar o seu filho?

Em um experimento feito em 1965, Jonathan Freedman queria entender o que funcionava para educar crianças de 7 a 9 anos. Qual seria a melhor forma de convencer uma criança a não fazer algo específico? Bronca, recompensa ou conversa?



Para isso, elaborou um experimento que consistia em colocar alguns meninos em uma sala com brinquedos e falar para eles que eles não deveriam brincar com aquele que seria o mais legal de todos, um robô de controle remoto.


Então, utilizou duas abordagens diferentes.


A primeira era ameaçá-los com graves consequências caso fosse flagrado brinquedo com o robô. “Você vai ficar de castigo se pegar o robô!”.


De fato, a ameaça funcionava. Dos 22 meninos, 21 deles não pegaram no robô quando o pesquisador estava na sala.


Porém, na segunda parte do experimento, seis semanas depois, uma outra pessoa trazia os mesmos meninos de volta à sala para uma atividade que não tinha a ver com os brinquedos. E, após a atividade, a pessoa deixava eles brincarem à vontade.


Então, 77% dos meninos correram para brincar com o robô.


Como toda criança acha (e os adultos mais ainda rs), o que é proibido parece mais gostoso.


Ou seja, a ameaça funciona mas somente se existe alguém observando, ela não é duradoura e nem induz o comportamento desejado. Pelo contrário, ela incentiva o comportamento oposto.


Na segunda abordagem, em vez da ameaça, Freedman apenas alertou os meninos que “era errado brincar com o robô”. Da mesma forma, 21 deles não pegaram o robô para brincar.


Mas após as seis semanas. O índice de meninos que escolhiam o robô para brincar caiu para 33%. Metade do número anterior.


Impressionante!

 

E como a ciência explica isso?


No livro “As armas da persuasão”, Robert Cialdini explica que nós humanos temos uma tendência muito forte de nos comportarmos conforme a nossa autoimagem.

Queremos sempre ser coerente com o que acreditamos que somos, com o que é certo. Mesmo quando somos crianças.


E os cientistas comportamentais, descobriram que existe uma linha limite entre o incentivo externo (prêmio ou castigo) e responsabilidade interna criada.


Se o prêmio for muito alto (“Você vai ganhar um presente se fizer isso”), ou o castigo for muito rígido (“Você não vai assistir TV por uma semana”), a criança não irá se comprometer em mudar a sua atitude, porque ela está apenas reagindo a um fator externo, é algo racional.


Porém, se o motivo faz com que a criança questione a sua autoimagem (“Não quero magoar a mamãe”, “Não quero fazer coisa errada”), ela se sentirá responsabilizada pela ação, será algo sentimental, de longo prazo.


Claro, é muito mais fácil no experimento. Cada criança tem uma reação diferente ao incentivo e é muito difícil (e bem crítico) conseguir entender a autoimagem que a criança possui.


Mas ninguém falou que seria fácil rs.


Reflita sobre como você tem incentivado o comportamento dos seus filhos e questione-se como pode melhorar.


Não existe um caminho certo quando o assunto é educação dos filhos, mas com certeza a ciência pode nos ajudar a enxergar novas alternativas.

 

RECOMENDAÇÃO DE LEITURA


16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page