top of page

Torne sua vida mais PRODUTIVA, CRIATIVA E INTENCIONAL

  • Foto do escritorgelsontk

A pergunta mais chata de emprego e a nossa obsessão pelo futuro

“Onde você pretende estar daqui a 5 anos?” é uma pergunta muito comum em processos de seleção e talvez uma das mais chatas de responder.

Somos péssimos em prever o futuro

Apesar da pergunta ter um lado de autoconhecimento que acho que todos deveriam se questionar (não para o emprego, mas para a vida), não quero me aprofundar na sua resposta, mas sim no fato de termos uma obsessão pelo futuro.


Desde sempre, a humanidade tem procurado meios de prever o futuro, encontrar a fórmula que explique eventos que ainda não aconteceram. Isaac Newton passou anos e anos analisando a bíblia para encontrar mensagens secretas sobre o futuro.


Mas não precisamos ir tão longe, pense quantas previsões você fez e continua fazendo na sua vida.


Lembra daquele joguinho que fazia quando criança, que dizia com quantos anos ia se casar, quantos filhos teria?


Vivemos tentando antecipar o amanhã. Quando irei me aposentar? O que farei quando me aposentar? Quanto terei na conta bancária daqui 10 anos? Qual será a grande tendência do próximo verão? Qual será a nova grande invenção da humanidade? Quando teremos o hoverboard do McFly ? Tentamos pensar em tudo, só não sabemos onde estaremos daqui 5 anos rs.

Modelos para prever o futuro

Criamos até modelos para prever o futuro. Quais os números que serão sorteados na megasena? Quais serão os lucros das empresas daqui a 10 anos? Qual será a minha taxa de retorno dos investimentos até a minha aposentadoria? Qual será a demanda pelo produto da empresa daqui 2 anos?


Tudo isso tem um lado positivo que é nos fazer pensar sobre o caminho.


Mas assim como a pergunta do processo seletivo, a resposta em si é inútil. Porque muito provavelmente esse futuro não existirá. Porque somos comprovadamente péssimos em prever o futuro.


Temos tantos vieses, que nossas previsões são, na sua grande maioria, furadas. Esqueça a sua planilha da mega sena, em vez disso, faça um cálculo de probabilidade de ganho.


E dois pontos principais prejudicam as nossas previsões.


Primeiro, como explicado por Nassim Taleb (e repetido por milhões de pessoas nesse último ano), não conseguimos identificar o cisne negro, eventos de baixa probalidade que influenciam absurdamente as séries históricas. Eventos que muito provavelmente nunca aconteceram e por isso são difíceis de prever. (O Covid não seria um deles, segundo o próprio Taleb)


Sem esses eventos, qualquer previsão de longo prazo pode ser uma furada, mesmo tendo funcionado com um back test, usando dados passados para garantir um modelo.


Segundo, a nossa falta de compreensão de que o mundo é probabilístico.


Sempre que queremos prever algo, temos apenas uma resposta certa. O que restringe a nossa taxa de sucesso. Mas com tantas variáveis, seria mais condizente termos cenários probabilísticos.


Daqui 5 anos, com 80% de chances pretendo ter me desenvolvido em um cargo de liderança na empresa e contribuído para o retorno do negócio com projetos de inovação. 15% de chances de ter saído para outro lugar e 5% de ter ficado estagnado na posição que estou me candidatando porque não consegui me encaixar na cultura da empresa. (Seria essa uma boa resposta? ou apenas uma boa reflexão?)


E nesse sentido, de probabilidades, quem nos dá as melhores respostas, adivinhem, é a previsão do tempo.


Sim, aquela que sempre erra é uma das únicas que nos fala em termos de probabilidade.


E somos tão ruins em analisar de forma probabilística que achamos que é furada, porque na probabilidade já assumimos algo que nos fere no fundo dos nossos corações: Que podemos estar errados.

Reflita sobre o seu futuro, mas não se apegue à sua previsão. Você tem 95% de chances de estar errado.
Previsões do futuro - use apenas para refletir
 

Posts Relacionados:



 

Livros para os questionadores


Ler mais livros é compartilhar conhecimento.Se você curtiu, compartilhe a página com os seus amigos e siga-nos nas redes sociais (Instagram e YouTube)



37 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page